Elio naufragou o seu veleiro Crapun em Aracaju neste ano. Visitamos ele em Paraty para conversar sobre o acidente e seus planos para o futuro.

Ele está morando em Paraty no barco de um amigo, dando aulas e trabalhando como skipper em charters enquanto economiza para comprar o seu novo . . .

Você tem que estar logado para acessar este conteúdo

Crie um perfil ou acesse com o seu Facebook, Twiter ou Gmail

 

Criar perfil

41 COMENTÁRIOS

  1. Nossa, que depoimento lindo… Emocionante . . . Eu perdi um Bruma 19 aqui no Guaiba (Anos 90 em Ipanema) e nem quero comparar com o sentimento de impotência que ficamos ao ver nosso bem se destroçando… O caso do Élio é muito mais que isso, era a casa dele, era um pedaço da história de vida dele que encerrava um ciclo de maneira melancólica, mas o otimismo o fez se lançar a um novo ciclo, a maneira bondosa deste ser fez com que todos se unissem para ajudá-lo a superar tremenda perda. Que lição ao responder "O que sobra depois de um naufrágio?" Sabia resposta Elio. Um forte abraço e Bons ventos.

  2. Fica de exemplo para marinheiros de primeira viagem, é preciso manjar muito de navegação para sair velejando pelo oceano, claro que tempestades e acidentes acontecem, mas quando a pessoa tem anos de prática e muita instrução fica mais difícil acontecer desastres. Esse senhor sobreviveu porque era experiente, se fosse uma pessoa leiga teria morrido.

  3. Oi Adriano, tudo bom? rssss Vejo todos os seus vídeos, e acabo de perceber que agi como se você também me conhecesse tanto quanto eu te conheço. Bom, logo logo quero conhece-lo pessoalmente.
    Esta é talvez a 5ª ou 6ª vez que assisto este vídeo. Perder um veleiro é terrível, posso afirmar isso, embora o meu tenha sido vendido a preço de banana madura na feira, para pagar salários do meu antigo negócio. É, sou mais um que quebrou com a crise econômica dos últimos anos. Mas isso é outra história, que quero muito escrever sobre tudo o que passou, para expurga de vez esse fantasma da minha vida, e com um pouco de humor, ajudar outros que passaram por experiência semelhante a se livrarem dessa trauma… TRAUMA…
    Bem, como vou conhecer vocês em pessoa, quero aqui adiantar minha primeira pergunta… minhas primeiras perguntas… kkkk. É, não são poucas, mas sei que você deve entender o que se passa na cabeça de quem teve veleiro em Angra, levou filhos e netos, por anos a fio, e por algum drama, acabou perdendo isso…
    Ta, eu sei… tô indo longe… Minha primeira pergunta: Convenci minha esposa a vender o título do IATE CLUBE DE BRASÍLIA (é, moro aqui, e velejava em angra, a cada dois meses, passava 10 dias no mar. Eu, meu filho arquiteto Henrique (25) e meu neto Gabriel (11)) e comprar outro veleiro. Quero morar no barco, mas vou alugar uma casa por ai, para minha esposa cuidar das orquídeas, dos cachorros, dos gatos, do crochê, e mais um monte de outras coisas lindas que ela gosta, até que eu a convença a morar no barco comigo… Vou comprar um barco usado, precisando de reforma, que será a minha ocupação secundária, enquanto ganho algum dinheiro por ai como engenheiro, economista, interprete, guia turístico, ou qualquer outra atividade de me dê algum dinheiro até que minha primeira meta se concretize…
    Tá bom, minha pergunta: Isso contar com as suas dicas, experiência e sabedoria (tens muita) para que essa mudança tenha um tutor?
    Vou para Angra ver uma casa, e talvez uma obra na ilha comprida dia 4/1/19. Fico pelo menos 4 dias, mas se você topar tomar uma cervejinha, ou um vinho (levo comigo), adoraria ir ao seu encontro?
    Eduardo Borges (58, marujo morador de Brasília)

  4. Adriano, no final do vídeo falaste sobre o que vinha pensando; exatamente isso: Se o Elio, com toda a experiência, passou por isso, como simples iniciantes devemos sempre ser humildes e respeitarmos a natureza, conselhos, e qualquer aviso que venhamos receber. Também me emocionei ao ver o Elinho do Crapum receber ajuda de tantas pessoas boas. Só o conheço através do teu canal e já sou fã incondicional.

  5. S H O W _ Z A S S O ! ! !
    Emocionante história – entendi o termo PESSOA HUMANA.
    … mas o mais legal (MESMO!) é saber que ainda existem muitas pessoas GENTE, que se preocupam com o próximo e que se dispõem a ajudar sem se preocupar como retorno.
    GRANDE LIÇÃO – FIRME E AVANTE, ELIO.
    Avante, ADRIANO. Grande demonstração de humanidade.

  6. Que alegria encontrar esse vídeo! Eu e meu esposo conhecemos o Elio em Bombinhas onde ele tinha o Capitão café. Lá ele sentou conosco e conversamos bastante, ele nos contou várias vivências de sua vida, também contou seus planos para 2018 e ficamos fascinados por tudo que ouvíamos. Sinto muita gratidão pela oportunidade de conhecer essa pessoa incrível e inspiradora! Fico feliz em saber notícias dele, bem como saber que ele, como sempre, vê o lado bom de tudo e não desiste de nada! Parabéns pela matéria!

  7. Emocionante do começo ao fim!!!! Que lição de vida!! Que ser humano!!! Irei colaborar na vaquinha também. Espero um dia fazer parte desse mundo que tanto me fascina!!! PARABÉNS pelo Canal, pela narrativa que tanto nos inspira a viver!!! Há meses que não consigo parar de assistir os vídeos do canal. Minha paixão pelo mar vem de criança e só cresce dia após dia com livros e vídeos como esse. Logo estaremos a bordo com vocês!!! Gde abraço e bons ventos!!!

  8. Elio meu amigo sou seu fã tanto como velejador como ser humano, que Deus te abençoe e te proteja sempre, vão se os anéis e ficam os dedos, vc vai conseguir muito mais, boa sorte e muito sucesso vc merece tudo de melhor em sua vida, aproveitar e dizer que sou fã do canal parabéns pelo excelente trabalho de vcs e pela grande ajuda e apoio que deram pro Elio.